A competência do fundador não é transmitida para o sucessor como se fosse uma herança

A competência do fundador não é transmitida para o sucessor como se fosse uma herança

Por Cesar Andrade

Montar uma empresa que fatura muito e é líder de mercado não é garantia de que os sucessores ou herdeiros conseguirão manter seu sucesso e ter retorno financeiro. É importante entender que competência nos negócios não pode ser passada de pai para filho.

Mesmo que a empresa seja vendida, os herdeiros precisarão de orientação para administrarem bem o dinheiro, sob o risco de perderem tudo. Porém, se os herdeiros e sucessores tiverem a orientação correta, mesmo que a empresa venha a falir, a família estará preparada para o recomeço.

Muitos fundadores perdem o sono por causa da sucessão de suas empresas, justamente pelo fato de perceberem que os seus herdeiros não estão plenamente preparados para tocar o negócio. Essa questão é um dos grandes paradoxos estudados na Empresa Familiar.

Se os sucessores precisam ser preparados, então por que parte dos fundadores os mantêm afastados do negócio? Apesar de a pergunta ser simples, a resposta e as análises a serem feitas não são tão simples assim. Existem muitas questões, inclusive emocionais, que fazem com que os fundadores demorem tempo demais para perceber que precisam cuidar da sucessão do seu empreendimento.

A verdade é que as famílias empresárias que saem na dianteira e começam a enxergar sucessores potenciais mais cedo, têm mais chance de serem longevas. Fazer um planejamento sucessório estruturado, conduzido de forma profissional, inclusive com apoio de consultoria externa ajuda a legitimar o processo. Agindo desta forma, as relações entre os membros da família tendem a ser integradas e os profissionais atuantes na empresa, mais respeitados.

Os fundadores têm de entender que os fatores que trouxeram o sucesso para a sua empresa não serão os mesmos para as gerações seguintes. E sucessores precisam internalizar que eles já ingressaram em um negócio que tem valor de mercado e reputação construída.

É preciso respeito de ambos os lados e, principalmente, definição de papéis para que cada um cumpra as suas responsabilidades com a devida competência. Afinal, competência pode ser desenvolvida, apesar de as habilidades empreendedoras dos pais não passarem geneticamente para seus filhos. É sempre bom pensar nisso!

César Andrade tem Certificação como Conselheiro TrendsInnovation formado pela Inova Business School, São Paulo. Faz mentorias com base no que viveu como sucessor de sua empresa e nos excelentes resultados que obteve. É Consultor, Conselheiro de empresas, Professor de MBA, Empresário, Administrador, MBA Executivo Internacional em Finanças, Controladoria e Auditoria pela FGV, com Módulo de Gestão e Inovação na Universidade de Mondragon, Espanha. Especialista em Gerenciamento de Projetos pela FGV. Mestrando em Gestão Estratégica de Negócios na UNAM, Argentina. Certificação como Conselheiro Administrativo Sicoob (Cooperativa de Crédito Crediconquista) aprovado no Banco Central, pela Fundação Getúlio Vargas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.