Conselhos de Administração e Consultivos

Conselhos de Administração e Consultivos

Por Luiz Dotto

Vamos destacar que a principal atribuição de um conselho, num ambiente de Governança Corporativa, deve ser a de alinhar interesses e decisões estratégicas, preservando e otimizando o valor financeiro e econômico da empresa a longo prazo, promovendo:

  • Prestação de contas;
  • Transparência;
  • Garantia de Equidade;
  • Responsabilidade Corporativa;

Mais do que nunca, nos movimentos não lineares atuais, a Governança deve ser implementada já na primeira geração, não pela baliza do tamanho da empresa, mas sim, por uma questão de geração de Valor perante os Stakeholders. Promovendo longevidade com sustentabilidade e mitigando riscos de conflitos.

1- Os Conselhos de Administração são deliberativos, quanto às decisões estratégicas da Gestão das Organizações.

A pauta das reuniões do Conselho de Administração, são prioritariamente deliberadas pelo conselho de administração, pois são os Governantes estatutários.

Estes são compulsórios para empresas de Capital Aberto. Visam principalmente representar os interesses e mitigar riscos dos acionistas de mercado, que não deliberam na gestão cotidiana.

2- Os Conselhos Consultivos, não deliberam, mas aconselham.

Compartilham com as demandas estratégicas dos sócios e monitoram a gestão executiva. Como um órgão colegiado de diferentes experiências, dividem estas, para as melhores decisões da organização.

Essa, talvez seja a principal dificuldade do Conselheiro Consultivo, porque ele não está no Estatuto da empresa, portanto ele não tem poder decisório legal. Mas, para exercer de fato a Governança, ele se apresenta por meio do Colegiado para tomar decisões.

A tomada de decisão é, na verdade, uma ajuda ao processo decisório, que precisa ser corroborado por quem tem o direito legal de assinar pela empresa.

O Governante (Conselheiro, aquele que exerce a governança) é diferente de Gestor. Ele influencia, dá dicas, pode até elaborar esquemas, fluxo de trabalho, etc. mas deixa que a concepção final e a execução sejam dos gestores.

São as táticas, as ações do dia a dia, as urgências e a elaboração bem como a execução dos planos de ação, que estão na alçada da gestão, diferente do que está na alçada dos Governantes, que são as questões importantes e ligadas ao direcionamento e ao controle.

A pauta padronizada de reuniões do Conselho Consultivo são, prioritariamente, deliberados pela gestão executiva.

Esses são recomendados para empresas, independentemente de sua idade, quanto mais cedo melhor. Pequenas e Médias empresas, inclusive Startups. E até mesmo para grandes empresas.

A migração do modelo consultivo – aconselhamento, para administrativo – deliberativo, ocorre em consequência, principalmente de:

  • Sistema de Governança Corporativa maduro, associado ao porte estratégico da empresa,
  • Preparação da empresa para um IPO – M&A

Luiz Dotto é Consultor em Governança Corporativa na www.gnsconsultoria.com.br, conselheiro consultorivo e administrativo, com grande experiência em empresas familiares e é conselheiro associado da Conselheiros TrendsInnovation
Empresa Familiar Longeva com Governança Corporativa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.