Por que bons líderes falham?

Por que bons líderes falham?

Líderes com alto nível de inteligência lógica e emocional, competências técnicas e características pessoais desejáveis em um bom líder também falham. A causa disso está, muitas vezes, relacionada ao baixo nível de inteligência organizacional.

O que é inteligência organizacional?

Assim como os indivíduos podem ser avaliados de acordo com diversos tipos de inteligências – lógica, emocional, linguística entre outras -, uma organização também pode. Essa é a chamada inteligência organizacional – esse nome pode variar para quociente de inteligência organizacional, dependendo da tradução e do autor – que, basicamente, determina a capacidade da empresa em gerar conhecimento e usá-lo estrategicamente para adaptar-se ao ambiente e mercado. Ela inclui vários subsistemas organizacionais como a estrutura, cultura, relacionamentos internos e externos, processos estratégicos entre outros que se relacionam dentro de uma organização.

Os líderes com alto nível de inteligência organizacional

Segundo um estudo recente, publicado na Harvard Business Review de junho de 2020, o grande desafio de um líder está em trabalhar para ter um alto nível de compreensão da inteligência organizacional da empresa a qual ele está à frente. Aqueles que conseguem desenvolver um alto nível de inteligência organizacional atuam, normalmente, em cinco frentes de atuação principais.

1) Mensagens que reforçam a estratégia

Os líderes com alto nível de inteligência organizacional sabem que devem enviar mensagens de reforço das estratégias diariamente. Ao fazerem isso, eles estão enfraquecendo outras mensagens paralelas e fortalecendo o foco no que realmente importa para a organização. O presidente e o comitê de diretores executivos de uma empresa não executam as tarefas ligadas à estratégia, por isso eles precisam garantir que todos os níveis que as executam estejam alinhados com a mensagem correta.

2) O “espírito da organização”

O espírito de uma organização é o reflexo do que a organização é e para que ela existe. Os líderes com alto nível de inteligência organizacional promovem esse espírito através da combinação de um comportamento esperado com a comunicação ampla desse comportamento a todos os colaboradores, sobretudo aos líderes. O espírito se conecta aos valores da organização. Para ficar mais claro, cito um exemplo da JBS, empresa na qual trabalhei por muitos anos. Nessa organização, um dos principais valores cultivados era a “atitude de dono”. Havia outros valores, mas esse era particularmente especial porque determinava um conjunto de comportamentos como a proatividade, a determinação, o sacrifício e a resiliência dos líderes para trabalhar como donos do seu próprio negócio. Quando você conduz seu próprio negócio não há alternativas, senão ser o melhor.

3) Estratégia de ação

O principal desafio de um líder é fazer as coisas acontecerem. Para isso nem sempre é possível construir consensos sobre metas estratégicas, pois esse processo é moroso e permite a construção de oposição organizada dos concorrentes. O líder deve saber dar ritmo e fazer as coisas acontecerem através de ações coordenadas e sem demoras. Ele deve garantir a arrancada dos processos antes da concorrência se levantar.

4) Revolução a partir do topo

Criar uma revolução a partir do topo significa assumir os maiores desafios quando o líder tem poder de fogo para fazê-lo. Portanto, os líderes com alto nível de inteligência organizacional focam seus esforços em metas realmente importantes para a organização e usam duas competências: entendem o nível de conflitos de cada curso de ação escolhido e, o mais importante e difícil, têm maturidade para não entrar em questões que não são importantes. Em outras palavras, o líder precisa reconhecer quais aspectos do status quo podem e devem ser desafiados de forma estratégica para levar a organização a um novo patamar.

5) Momento teatral

O momento teatral é causado por uma situação que cria um impacto e muda o modelo mental dos liderados. Esse momento não pode ser forçado, ele é um momento comum, legítimo, de importância e transmite uma mensagem clara. Um exemplo desses momentos é o criado por Steve Jobs quando sua equipe apresentou o primeiro protótipo do Ipod. Jobs disse que não estava bom e precisava ser menor. A equipe retrucou, então, Jobs atirou o Ipod num aquário próximo e disse: “Vejam, ainda saem bolhas de ar, portanto, pode ser menor e melhor”. Não somente a equipe que estava naquela reunião, como toda a organização, aprenderam que poderiam buscar a perfeição.

Como aumentar o seu nível de inteligência organizacional?

Desenvolver um maior nível de inteligência organizacional exige algumas habilidades. A começar por conhecer e abraçar a governança da sua organização. Quando o líder conhece bem a governança de sua organização ele consegue usufruir de suas fortalezas para cumprir as metas com o menor esforço. Essa linha de ação é mais coerente do que tentar lutar contra tudo e todos. Outra atitude é desenvolver uma persona organizacional, ou seja, ser reconhecido por quem você é e pelo que entrega. Por fim, seguir pequenas regras e dar o exemplo de conduta constroem credibilidade e senso de pertencimento. Isso permite que o líder possa, no momento adequado, desafiar as grandes “regras imaginárias” que estão impedindo o crescimento da organização.

Sobre a autora: Suelen Schneider Demaria é especialista em estratégia, processos e supply chain, mestre em administração e doutoranda com foco em liderança e mudanças globais pela Pepperdine University, na Califórnia-EUA.  Ela tem especializações internacionais pela University of Califórnia em Irvine, Indian Institute of Management Bangalore na Índia, Yale School of Management nos EUA e Koç Universiti na Turquia. Ocupou posições-chave em uma das maiores empresas do Brasil. Hoje é empreendedora, consultora e educadora na MultiConcept.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.